Ao sul de lugar nenhum

São dois os meus métodos preferidos de escolher minha próxima leitura. O primeiro é ganhando livros de presente – não, isso não é uma indireta – porque acabo tendo contato com livros que jamais teria tido não fosse essa outra pessoa que leu/conheceu algum livro/autor e pensou que eu pudesse gostar. O outro é sair andando aleatoriamente dentro de uma livraria/biblioteca até achar alguma coisa interessante.

E aí a coisa interessante pode ser topar com um clássico que sempre tive vontade de ler ou com uma capa bonita, ou um autor que já ouvi falar muito mas nunca li nada ou com um título instigante. Semana passada foi um misto dessas duas últimas que me levaram a comprar Ao sul de lugar nenhum, de Charles Bukowski.

Bukowski morreu de leucemia, aos 73 anos, em 9 de Março de 1994, e em seu túmulo se lê “Don’t Try”, “Não Tente” em português

Já tinha escutado comentários de como Bukowski era dark, tratava de temas pesados e era recheado de sexo, bebida e palavreado sujo – e é legal o jeito como ele usa os palavrões porque não soa falso, soa exatamente como uma pessoa normal falaria. Não é igual novela que uma pessoa fica chateada e xinga a outra de boba. Os personagens de Bukowski ficam putos e mandam os outros tomarem no cu. Não sei quanto a você, mas é exatamente o que eu faria.

Mas apesar de ser desbocada, não foi isso que me atraiu e que me fez levar o livro pra casa, até porque, ainda não sabia que o livro seria assim. Foi o nome do livro que me causou um apertinho de identificação com esse sentimento de desnorteamento, sei lá. A tradução até que é boa, mas o título original me soa ainda mais deprê: South of no north.

Enfim, o livro traz 27 histórias, grande parte delas com caráter biográfico. Muito tranquilo de ler caso você não seja uma pessoa com nojinho.

***

Pra quem quiser saber mais sobre o velho safado, tem esse link aqui. 

****

E retomando o tema do post anterior, esse não é um bom livro para mães. Ou melhor, não é um bom livro para se dar de presente de dia das mães.

Quem? Charles Bukowisky

O que? Ao sul de lugar nenhum – histórias da vida subterrânea

Quando? A primeira publicação é de 1973

Páginas? 238

Anúncios

6 comentários sobre “Ao sul de lugar nenhum

  1. Eu li um dele durante a faculdade. Olhei no Wikipedia e lembrei que era o “Hollywood”. Teve uma passagem que me marcou e falava de algo como “a cage with golden bars” sobre uma riquíssima artista de hollywood que vivia cercada de segurança e um bukowski que não tinha nada, mas liberdade.

  2. Curiosamente, apesar de falar dos motivos que te fizeram levar o livro pra casa e de ter dito que é tranquilo de ler, nesse post você não deixou tão claro se (e o quanto) gostou do livro. Qual o veredito?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s