Post de aniversário – parte II

Dando continuidade a série de posts e de citações em comemoração ao aniversário do blog – que é amanhã!

16. Film Posters of the 90s

poster The Truman Show

17. Capitães da Areia – Jorge Amado

“E, de súbito, tem medo de que nesta casa sejam bons para ele. Sim, um grande medo de que sejam bons para ele. Não sabe mesmo por que, mas tem medo. E levanta-se, sai do seu esconderijo e vai fumar bem por baixo da janela da senhora. Assim verão que é um menino perdido, que não merece um quarto, roupa nova, comida na sala de jantar. Assim o mandarão para a cozinha, ele poderá 1evar para diante sua obra de vingança, conservar o ódio no seu coração. Porque se esse ódio desaparecer, ele morrerá, não terá nenhum motivo para viver.”

18. Em busca de Curitiba perdida – Dalton Trevisan

“Leio aqui e ali, disposto a gostar. Em vão: nem um adjetivo bem achado, uma rima original, um só lampejo de ideia. Pobre sucessão de frases feitas, banalidades, lugares-comuns. Até o ponto de exclamação um engano – não passa de uma vírgula.”

19. Triologia Millenium – Stieg Larsson

Entrou no quarto, vestiu uma calcinha, um jeans e uma camiseta com a inscrição Armageddon was yesterday – today we have a serious problem.”

20. A volta ao mundo em 80 dias – Júlio Verne

“Embora vivesse às claras, tudo o que fazia era tão matematicamente sempre o mesmo, que a imaginação, insatisfeita, procuraria ver além.”

21. Guia de drinks dos grandes escritores americanos – Edward Hemingway e Mark Bailey

“Gosto de um Martini/ dois, no máximo/ com três estou embaixo da mesa/ com quatro embaixo do anfitrião.”

22. Mansfield Park – Jane Austen

“Her more fearless disposition and happier nerves made everything easy to her there.”

23. Trainspotting – Irvine Welsh

“Cristo, a vida não dá trégua.”

24. O tempo e o vento – Érico Veríssimo

“- Quando entrei em Santa Fé, pensei cá comigo: capitão, pode ser que vosmecê só passe aqui uma noite, mas também pode ser que passe o resto da vida…”

25. Toda Mafalda – Quino

Tira Mafalda

26. Grande Sertão: Veredas – João Guimarães Rosa

“E de repente eu estava gostando dele, num descomum, gostando ainda mais do que antes, com meu coração nos pés, por pisável; e dele o tempo todo eu tinha gostado. Amor que amei – daí então acreditei. A pois, o que sempre não é assim?”

27. Oliver Twiest – Charles Dickens

“Pouco a pouco, Oliver caiu nesse sono tranquilo e profundo que só deriva do alívio do sofrimento.”

28. Precisamos falar sobre o Kevin – Lionel Schriver

“Não era uma época fácil para ser professor, se é que algum dia já foi. Pressionados pelo Estado para elevar os padrões e pelos pais para dar notas mais altas, colocados sob uma lente de aumento para que se descobrisse qualquer insensibilidade étnica ou impropriedade sexual, dilacerados entre as exigências repetitivas da proliferação de testes padronizados e o clamor dos estudantes pela criatividade de expressão, os professores eram responsabilizados por tudo que dava errado com as crianças e assediados para salvá-las de todas as maneiras.”

29. Agora é que são elas – Paulo Leminski

“Essa era outra das expressões favoritas do professor. Quase, talvez. Na dupla dúvida, uma dúvida lançando desconfiança sobre a dúvida vizinha, equação de quarto grau, nessa vertigem imaginava Propp fundar sua certeza”.

30. A fugitiva – Anaïs Nin

“- você está infeliz, e em contrapartida está sendo muito infiel.”

31. Só garotos – Patti Smith

“Comprei um songbook do Bob Dylan e aprendi alguns acordes simples. No início não pareciam nada ruins, mas, quanto mais eu tocava, pior foram ficando. Eu não sabia que o violão precisava ser afinado antes.”

(Patti Smith, hoje uma das mulheres mais influentes do Rock e da música punk)

32. As intermitências da morte – José Saramago

“[…]as palavras, se não o sabe, movem-se muito, mudam de um dia para o outro, são instáveis como sombras, sombras elas mesmas, que tanto estão como deixaram de estar, bolas de sabão, conchas de que mal se sente a respiração, troncos cortados […]”

33. Uma duas – Eliane Brun

“É engraçado como a gente quer escrever uma coisa e acaba escrevendo outra.”

34. O silêncio da chuva – Luiz Alfredo Garcia-Roza

“’Preferia não fazê-lo’, repetia tranquila e pacificamente Bartleby, o escrivão, para o seu patrão e protetor. Também eu, Preferia não fazê-lo. Preferia numa segunda-feira de manhã, não ter que ir à delegacia, não ter que assistir pela enésima vez à liberação dos bêbados […]. Ocorre que “meu patrão” jamais entenderia a frase Bartleby, sobretudo dita por mim.”

35. O retorno e Terno – Rubem Alves

“A música dos sons ou da palavra – é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer. Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras.”

Anúncios

3 comentários sobre “Post de aniversário – parte II

  1. Eu sempre quero anotar coisas dos livros e acabo nunca anotando!
    Depois do “Quase, talvez”, resolvi mudar minha vida. De hoje em diante, vou anotar tudo que eu achar legal. Ou quase tudo, talvez.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s